page up
voltar ao topo
Notícias
“É sempre um desafio e acabamos por realizar o sonho das pessoas!”
Outubro 28, 2018

 

Agulhas, linhas, panos de linho e mensagens de um amor único. São parte da vida das bordadeiras que, há mais de duas décadas (e algumas já com trinta anos de serviço), se dedicam com muito empenho e paixão à preservação de um dos maiores símbolos de Vila Verde, os Lenços Namorar Portugal. Hoje, vamos conhecer melhor uma das primeiras bordadeiras a chegar à Cooperativa Aliança Artesanal: Cristina Lopes.

“É sempre um desafio e acabamos por realizar o sonho das pessoas!”

Sentada a trabalhar, Cristina Lopes vai direta ao ponto. Começa a conversa dizendo que este é o trabalho de uma vida. “Já faço bordados há 30 anos, aliás há mais... eu vim para aqui e já sabia bordar. Tudo começou logo que saí da escola, deixei de estudar e os nossos pais arranjavam maneira de nos meter em qualquer lado para aprendermos a fazer qualquer coisa”, conta. Relembra também os tempos no Centro Obra das Mães, um local de aprendizagens diversas, onde surgiu o fascínio pelo artesanato. “Íamos para lá e aprendíamos a bordar, a fazer crochê, a cozinhar…. Foi aí que eu vi os lenços pela primeira vez. As senhoras que estavam lá davam-nos um lencinho para nós começarmos a bordar e foi nessa altura que soubemos que havia esta história que estava perdida há muitos anos”, recorda. Começaram a sestra disponíveis formações na área e, passados uns tempos, realizou-se uma recolha pelo concelho: “Foram à casa das pessoas para elas mostrarem os seus lenços. A ideia era que emprestassem aquelas relíquias para nós depois imitarmos e assim foi”.

A bordadeira sublinha a evolução significativa que se registou ao longo destas três décadas e relembra um dos momentos altos da profissão. “No princípio era só os lenços, depois houve a necessidade de fazer outras experiências. Agora, temos os bordados em vários suportes muito graças ao aparecimento da Namorar Portugal. Uma marca a que se associaram várias pessoas e empresas, com objetos muito diferentes, mas sempre com os motivos dos Lenços Namorar Portugal presentes. Pintados, bordados, estampados… de várias formas. Posso dizer-lhe que isto já tem grandes voos, uma vez que a TAP já viajou, no dia 14 de fevereiro (Dia dos Namorados), com os encostos de cabeça bordados por nós”, diz toda orgulhosa.

Cristina Lopes confessa ainda que é um trabalho que precisa de uma grande dose de gosto pela profissão: “Tem que se gostar mesmo, porque não deixa de ser cansativo.  Estamos aqui tantas horas na mesma posição, até nos podemos levantar um bocadinho, mas estamos quase sempre sentadas. No entanto, falamos, partilhamos ideias, pedimos opiniões...”. Hoje, os bordados não se limitam aos Lenços e as bordadeiras bordam os mais diversificados materiais, tanto para os parceiros Namorar Portugal como para clientes a título individual. Se tem uma peça aí por casa que poderia ganhar ainda mais encanto com os motivos dos Lenços Namorar Portugal, é só trazê-la à Aliança Artesanal. “Fazemos sempre trabalhos muito diferentes. Bordamos em roupa, bordamos em lenços, bordamos em tudo quanto nos peçam. O nosso objetivo é satisfazer a pessoa. É sempre um desafio e acabamos por realizar o sonho das pessoas”, afirma Cristina Lope.  No final da conversa, a bordadeira conta ainda que os lenços são, na maior parte das vezes, reproduzidos tal como foram encontrados e que ainda há muitos namorados de várias gerações a comprar.