page up
voltar ao topo
Notícias
Uma homenagem sentida às bordadeiras dos famosos Lenços de Namorados
Março 02, 2016

O Espaço Namorar Portugal foi, hoje (2 março), palco de uma justa e sentida homenagem às grandes obreiras por trás da tradição minhota que tem conquistado corações e levado o nome de Vila Verde e de todo o país aos quatro cantos do mundo pelas melhores razões. A iniciativa, intitulada simbolicamente “Aliança Artesanal a Bordar o Amor de Portugal”, assumiu-se como um momento de reconhecimento do trabalho desenvolvido pelas artesãs que bordam os Lenços de Namorados e que assim ajudam a manter viva a identidade cultural da nossa região. Por outro lado, a sessão permitiu também acrescentar ao espólio do Espaço Namorar Portugal alguns novos produtos, cujos bordados foram desenvolvidos pelas artesãs da Cooperativa Aliança Artesanal, que já não se dedicam apenas à confeção de Lenços de Namorados e que, atualmente, bordam manualmente os motivos dos Lenços de Namorados numa gama variada de produtos, muitos dos quais incluídos na marca territorial vilaverdense Namorar Portugal.

“O lema ‘Aliança Artesanal a Bordar o Amor de Portugal’ é precisamente a mensagem que queremos passar, valorizando e reconhecendo o trabalho que estas bordadeiras desenvolvem todos os dias. Foi este trabalho, desenvolvido com carinho e dedicação ao longo dos anos, que nos permitiu chegar onde estamos, que nos permite hoje falarmos de Vila Verde como capital dos Lenços de Namorados e da marca Namorar Portugal. Não esquecendo, obviamente, a figura da dona Conceição Pinheiro, que dedicou grade parte da sua vida à capacitação das mulheres e à recolha e promoção dos Lenços de Namorados”, afirmou a vereadora da Cultura. Júlia Fernandes prosseguiu frisando que o evento se assume claramente como “uma homenagem que prestamos às nossas bordadeiras e à Aliança Artesanal, que ao longo destes anos têm perpetuado a tradição, com a sua mão o seu trabalho e esforço, garantindo que hoje temos este grande espólio que é o ex-líbris de Vila Verde”.

Bordados em gravatas, toalhas, saquinhos de cheiro…

A apresentação dos produtos coube a uma das artesãs da cooperativa sediada em Vila Verde, Cristina Lopes, que sublinhou de forma clara que, nos dias que correm, bordar Lenços de Namorados é apenas uma parte do trabalho que desenvolvem. “A Aliança não se resume a bordar Lenços. Fazemos bordados à mão em várias peças e temos hoje aqui uma pequena amostra disso mesmo, com produtos que ainda não integravam a linha Namorar Portugal, que a partir de agora também estarão aqui disponíveis”, referiu, antes de apresentar ao público as gravatas, almofadas para as alianças de noiva, toalhas, saquinhos de cheiro e Lenços com dedicatória para o pai. Um leque variado de produtos, com diferentes feitios e utilidades, que ganham um novo encanto com os bordados artesanais dos motivos da tradição minhota, assumindo-se como veículos de sentimentos e afetos, que vão levar espalhar pelo país as escritas de amor da região minhota.

“O motor deste processo foi a Aliança Artesanal”

Por sua vez, o presidente do Município de Vila Verde deixou rasgados elogios a “um trabalho exemplar na promoção dos motivos dos Lenços de Namorados”. “O motor deste processo foi a Aliança Artesanal, as pessoas que aqui trabalharam ao longo dos anos e que nunca desistiram do projeto, com uma persistência que contagiou também as pessoas de fora. Além disso, muitos dos promotores também utilizam a mão-de-obra especializada para os seus artigos, num reconhecimento inequívoco da grade qualidade e rigor do trabalho desenvolvido nesta casa. As peças que por aqui passam ganham valor acrescentado”, afirmou António Vilela, prosseguindo com um discurso em tom de louvor. “O sucesso da marca deve atribuído aos promotores, mas em primeira mão às pessoas que trabalharam ao longo dos anos e nunca deixaram de acreditar neste processo, principalmente a Dona Conceição e a dona Maria do Carmo. Sempre acreditaram no potencial dos produtos e a verdade é que hoje atingimos um nível tão elevado que seria difícil de imaginar há alguns anos”, concluiu.